• De pequenino se deixa de torcer o nariz, v.02

    by  • November 5, 2015 • Forking malabaristas, receita

    {ATENÇÃO, MUITA ATENÇÃO: não sou pediatra, nem nutricionista; sou mãe de gémeos prematuros (34 semanas) com pouco mais de 8 meses. ☺️}

    Começo por dizer que acredito que todos os pais querem o melhor para os seus filhos; acredito mesmo que podemos optar por caminhos diferentes, muitos deles resultado de falta de informação, outros de um fundamentalismo que me assusta. Estas são as nossas opções no que à alimentação dos nossos filhos diz respeito, apoiadas na orientação da pediatra que os segue, em algumas leituras e troca de informação com alguns amigos com miúdos pequenos, mas maiores que os nossos.

    Quando os malabaristas chegaram aos 4 meses, a pediatra sugeriu a introdução da sopa+fruta. Porquê aos 4 meses? Porque mamavam e bebiam leite adaptado. Porquê começar pela sopa? Porque o Gaspar é muito obstipado e a introdução dos legumes na alimentação ajudaria na regulação do intestino. À base da sopa (batata, cenoura, cebola) fui acrescentando outros legumes, de acordo com aquilo que chegava da horta. Segundo a médica, os únicos alimentos não aconselháveis seriam espinafres, nabiças, grelos e leguminosas. Percebi, porém, que mais que o sabor, importava-lhes a textura; cozinhava em lume brando até que toda a água desaparecesse e depois reduzia a puré. Um fio de azeite no prato e já está! (É importante que se junte o azeite no prato e não na sopa toda, sobretudo se fizeram sopa a mais, para que depois o azeite não cozinhe ao aquecer)
    As frutas, maçã, pêra e banana, sempre cruas, reduzidas a puré com a varinha mágica.
    Nesta altura, comecei a pesquisar opções de papas caseiras, porque seriam introduzidas aos 5 meses. Lembrei-me da Constança ter falado nisso há uns anos no blogue e da Joana também ter referido várias vezes que era a sua opção. Para além disso, pertencia a 2 ou 3 grupos no facebook sobre alimentação saudável, onde já várias vezes tinha lido sobre as opções diversas às papas industrializadas. Como tenho conta no Pinterest, fui recolhendo alguma informação e guardando algumas receitas. E tirei dúvidas, muitas dúvidas!, com outras mães de garotos pequenos, sobretudo com a Mariana, que volta e meia aborreço…☺️ Num dos grupos, descobri que a Leonor tinha um blogue dedicado à alimentação infantil.
    Para a primeira papa, fiz assim: cozi muito bem o arroz integral em lume brando até que desaparecesse quase toda a água. Retirei do lume, acrescentei fruta fresca e leite adaptado(pode juntar-se leite materno, mas o meu já não era muito, por isso guardava-o para a altura em que vinham à mama), reduzi a puré com varinha mágica. Como já comiam sopa há um mês, a primeira papa correu muito bem! A partir daqui, fui fazendo variações: acrescentei sêmola de milho, fiz com aveia biológica, tapioca, enfim!, desde que sejam cereais sem glúten, podemos ir experimentando (o glúten deve ser introduzido a partir dos 6 meses). Aos 6 meses, deixamos de passar as papas e a fruta começou a ser ralada ou esmagada grosseiramente, deixando pequenos pedaços.
    Nas primeiras férias de Verão experimentei as papas Holle, as únicas que conheço biológicas, sem adição de açúcar. Compro na Celeiro ou na Wells, onde por vezes as promoções compensam muito!

    Entretanto a pediatra sugeriu acrescentar à sopa carnes brancas (30g/refeição) e, na consulta dos 8 meses, carnes vermelhas, que ainda não introduzimos. Também sugeriu mais frutos, excepto o pêssego e os frutos vermelhos. Começamos pelo maracujá e pela papaia, sempre a pensar na barriguinha…

    Esta semana, experimentamos o iogurte natural não açucarado, com fruta fresca e sementes de linhaça. São aconselhados os iogurtes para crianças, feitos com leite adaptado, mas a percentagem de açúcar é tão alta, que preferimos adiar e experimentar só agora. As sementes de linhaça ajudam ao bom trânsito intestinal, que ainda é um problema para o catraio dos olhos grandes…Não sentimos necessidade de introduzir o iogurte mais cedo, porque os miúdos ficam comigo em casa, ou em casa dos avós, e continuam a dormir bem. Não havia muito espaço para um pequeno lanche. Agora, como começam a querer dormir mais cedo (20h30/21h), às vezes acordam mais cedo, por volta das 7h30/8h; nesses dias, dou iogurte por volta das 10h e adio a sopa.

    Uma das maiores dúvidas, para mim, eram as quantidades de sopa, de fruta, de papa. A pediatra aconselhou 2 conchas de sopa; se eles comessem 2/3 já ficava satisfeita! Na verdade, a Dora foi mais complicadinha para aprender a comer com a colher, mas sempre comeram bem. Às vezes, o Gaspar chorava quando acabava e a Dora quando começava. Uma animação!

    Para o próximo mês conto-vos como correu a introdução do peixe!