• Esvaziar a despensa!

    by  • November 9, 2015 • fork the crisis, receita

    Sábado é dia de forkshop, por isso os Domingos de manhã são de preguiça (excepto quando tenho encomendas!). Os miúdos acordam, comem, voltam a adormecer com o Pedro e eu estico-me no sofá da sala, a apanhar sol, enquanto leio um livro e tomo o pequeno-almoço. Ontem não foi excepção. O dia acordou devagar e nós como ele. Ao fim da tarde tínhamos combinado estar com os nossos primos, por isso o meu único compromisso era com a cozinha para fazer alguns petiscos.
    Há algumas coisas que nunca faltam cá por casa, na despensa e no frigorífico, e que facilitam a minha vida na hora de “ahhhhhh, não tenho nada para cozinhar e o Pedro não vem sozinho!” ou “tenho que cozinhar e não me apetece sair de casa para ir ao supermercado!”. Quem nunca, não é?…E este é um dos temas que mais vem à baila nos forkshops: como improvisar um almoço/jantar com o que temos em casa? Eis algumas das coisas que nunca faltam no meu frigorífico e na minha despensa:

    Ovos: fundamentais para resolver qualquer uma das refeições; não tenho por hábito comê-los ao pequeno-almoço, mas sabem-me muito bem num almoço tardio, quase sempre escalfados a acompanhar uma salada com pão torrado em azeite. Também me desenrascam em forma de omelete, mousse de chocolate, bolos rápidos salgados e doces.
    _MG_8849_low

    Queijos: para além de gostarmos muito, em dia de “socorro!, só tenho massa, tomate e pouco mais!”, safo-me com umas lascas de queijo curado (aguentam-se melhor no frigorífico, sobretudo se pincelados com um pouco de azeite). Para além disso, servem para improvisar um risoto, para a omolete que falei lá em cima, para terminar um prato de forno e levar a gratinar. Também servem para um soufflé rápido a fazer e ainda mais a comer!
    IMG_0912_low

    Leite/iogurtes: faz sobremesas maravilhosas! Assim de repente, leite-creme e pudim. E o bolo de iogurte feito com o copinho? Uma maravilha! Substituir as natas a engrossar um molho? Também!

    Conservas: o famoso atum tem lugar cativo no meu coração. Experimentei há muitos anos natural, mas fiquei-me pelo conservado em azeite e nunca mais o troquei. Para uma massa rápida, para uma espécie de salada russa, para uma salada mais compostinha, para umas empadas ou folhados. Também temos feijão, grão, alcaparras, azeitonas, anchovas, tomate seco conservado em azeite, leite de côco.

    Ervas aromáticas: secas (gosto muito das da Arboretto) e frescas, há sempre por cá. Maior variedade de secas, porque se aguentam mais tempo, mas pelo menos há sempre um raminho de salsa que chega da horta. Lembram-se da tal massa de tomate com as lascas de queijo? Agora imaginem com orégãos, manjerona ou manjericão por cima…ou então, como ainda no outro dia fiz, requeijão com tomilho, pimenta e um fio de azeite, bem desfeito com um garfo, para comer com tostas ou pão.
    IMG_0906_low

    Especiarias: quem pela minha cozinha já passou viu todos os frascos de especiarias que tenho e, mais importante, que uso diariamente. A canela, as pimentas (preta, rosa, branca, caiena, sichuan,…), noz-moscada, cominhos, feno grego, caril, zahatar, enfim! São muitas e chegam cá de várias partes do mundo e uso-as diariamente em pratos salgados, doces, em bebidas.
    image

    Frutos secos: avelãs tostadas, sem casca, num creme de abóbora? Pinhões dourados num creme de bróculos? Amêndoas laminadas, tostadas, num creme de couve-flor? Nozes nuns brownies? Qualquer um deles num pesto improvisado?
    image

    Massa folhada: desenrolar, rechear, levar ao forno e num instante está na mesa! Ontem usei em dois folhados para o lanche ajantarado. Um deles recheei com salmão: grelhei, lasquei, deixei arrefecer. Temperei com funcho e com coentros, pimenta e forno com ele! Para não se sentir sozinho, fiz um de cogumelos: fatiei, salteei rapidamente numa sertã com um fio de azeite, segurelha e pouco sal. Deixei arrefecer e recheei e, antes de fechar, ainda acrescentei gorgonzola. Dois folhados feitos em menos de nada! Sobremesa? Experimentem fazer assim: forrar uma tarteira com massa folhada, picar, cobrir o fundo com maçã fatiada muito fina, como se fosse um dominó acabado de cair. Salpicar um pouco de açúcar e canela, umas nozes (pequeninas!) de manteiga aqui e ali, forno para cozinhar e caramelizar. Não chega? É simples demais? E se acrescentarem uma bola de gelado à fatia de tarte ainda morna? Ahhhhh!

    Pão: tento ter sempre algum pão congelado. Tirar do congelador, deixar descongelar uns minutos, fatiar o mais fino que conseguirem e levar ao forno, ou a uma sertã, com um fio de azeite. Muito bom para comer com guacamole, baba ghanoush, hummus, tapenade ou outra pasta que façam. Ou então, partido aos cubos e cozinhado da mesma forma, servido com uma sopa ou uma salada (os famosos crôutons!). Se aparecer alguém para o lanche, umas rabanadas, portuguesas ou francesas!, um pudim de pão, umas tostas bem prensadas.
    _MG_8841_low

    Massa/arroz/cuscuz: se perguntarem ao Pedro qual é a minha especialidade, ele é bem capaz de responder “massinha rápida!“, porque é das coisas que mais faço quando estou com pressa, ou não faço ideia do que vou cozinhar até ao momento em que chego à cozinha (sim, sim, acontece…frequentemente!). Normalmente, cozinho a massa em separado e junto a qualquer coisa que cozinhe no tempo que a massa coze: camarão descascado salteado em azeite e alho, servido com salsa/coentros frescos; rodelas de curgete grelhadas, pinhões aquecidos, requeijão; beringela, tomate, azeitonas, tudo a refogar, manjericão fresco ou hortelã; a todas (e a mais algumas!) junto um fio de azeite e já está! Se a massa cozinhar em 4minutos, é nesse tempo que tenho o jantar pronto!
    image

    Batatas/cebolas/alhos: vêm da horta e há sempre cá por casa. Se tudo o resto falhar, nada que umas boas batatas no forno não resolvam! E se forem novas, depois da casca bem lavado, cortadas em gomos e levadas ao forno com um fio de azeite, uns grãos de sal e orégãos secos? Nunca experimentaram? Então experimentem e depois digam-me alguma coisa…
    _MG_8846_low

    Estas são algumas das coisas com data de validade mais alargada que nunca faltam cá por casa. Claro que tenho sempre legumes, frutas e algum peixe e carne congelado (comprado fresco), mas estas são sugestões para dias em que, de repente, chegamos a casa e tudo isso acabou misteriosamente…