• Mil-e-uma-razões para ficar

    by  • November 19, 2012 • Pessoal, sobre • 0 Comments

    Quem tem acompanhado esta nossa aventura já percebeu que este projecto nasceu por duas razões: porque quando cozinho me sinto extremamente feliz e porque quero continuar a viver no Porto.

    (Este é o meu canto.)

    E hoje vou mostrar-vos algumas das mil-e-uma-razões que me fazem querer ficar.
    Dia frio, céu azul, cores de Outono. O dia começou em grande!

    Desci a Avenida da República em direcção à ponte D.Luís, de mochila às costas e máquina em punho. Queria aproveitar todos os momentos deste dia! E a cada passo despertava para todas as cores da cidade.

    Continuei a caminhar e a cada passo um sítio que é só nosso. Quase, quase a chegar à Batalha, as mercearias finas que vendem café, vinho do Porto, frutos secos, bacalhau e outras iguarias.

    Ter de estar atenta à linha do eléctrico que cruza os passeios e atravessa a estrada, marcando o ritmo do trânsito.

    Continuar a andar. Subir a Sta. Catarina com o destino traçado: chegar ao Marquês. A caminhada é longa, mas quase não se sente, entre conversas paralelas que se ouvem pelo caminho. Alguns palavrões, muitas gargalhadas, segredos… :)

    Percorrer uma cidade a pé traduz-se sempre em descobertas. E hoje (re)descobri vários sítios!
    Começo por vos falar do Vítor, que me atendeu na Palamenta, uma loja com equipamento para hotelaria, que fornece, sobretudo, restaurantes, hotéis, padarias, entre outros. Podem entrar, consultar um catálogo onde encontram de tudo! Eu entrei, porque na montra tinha uma ou outra peça que me fazia recuar no tempo e trouxe de lá verdadeiros tesouros, que vos mostrarei mais tarde! ;)

    Já a manhã findava quando rumei à zona do Bolhão. Parei numa loja de cestas, muito conhecida por cá, mas onde nunca tinha entrado. A senhora que me atendeu disse “Aceitamos encomendas de tudo, até de cavalinhos!…” :D
    Espreitem lá….não é uma delícia?…

    Mas na zona que circunda o Mercado do Bolhão podemos encontrar mais mercearias que nos acenam com produtos regionais, nossos, com o cunho bem português: presunto, alheiras, morcelas, queijos, biscoitos,…Portugal embalado e pronto a levar para casa!


    Em Sá da Bandeira, era na Casa Ramos que eu parava quando ia para a faculdade e me apetecia uma empada de algas ou um rissol de alho francês. Na verdade, a faculdade ficava no lado oposto, mas o desvio levava-me a uma loja onde podia encontrar farinhas que não existiam em lado nenhum; molhos, especiarias, novidades para uma miúda que já cozinhava, mas que só conhecia alguns dos ingredientes dos livros de receitas que lia na biblioteca. :)

    Outro dos lugares onde parava: o Mercado do Livro na 31 de Janeiro. Livros em conta, para quem gosta muito de ler!

    Quase a chegar a S.Bento, uma das marcas do Outono neste meu Porto: o assador de castanhas!

    Passei noutros lugares, troquei mais conversas. Um dia conto-vos tudo! ;)

     

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *